Komix

Just another WordPress site

Comparação anime/mangá Sakura Card Captors

Comparação anime/mangá Sakura Card Captors

September 29th, 2015

Sakura Card Captor, é uma série de mangá do gênero mahō shōjo (onde se possui um tipo de personagem feminina jovem com poderes mágicos) criada pelo grupo CLAMP e serializada na revista Nakayoshi, com 12 volumes, de 1996 a 2000. Foi adaptado a uma série de anime pelo estúdio Madhouse, somando 70 episódios (divididos por três temporadas), 2 filmes e 3 especiais (OVA).

O mangá tem uma narrativa fluida, com desenhos simples, sem muito detalhes de luz e sombra, o que indica o publico alvo, jovens meninas. Se utiliza de simples traços, sem hachuras, mas as roupas são bem detalhadas, muitas vezes ganhando um destaque ao surgir, com grande influencia da moda Lolita, a moda no mangá é uma das principais atrações no mangá para as leitoras. O que é de se esperar, já que a principal ilustradora (Mokona, sim, o Mokona dos mangás da Clamp leva o nome da ilustradora), é uma grande fã de moda, e chega a escrever livro sobre.

Os personagens são carismáticos, e a relação entre eles vai sendo bem trabalhada, mesmo quando clichê (clássico casal que começam se implicando, mas depois desenvolvem um sentimento mútuo). O anime acrescenta um personagem novo, que até se mostra interessante. Acaba sendo uma rival para Sakura, mas não se tratando de cartas.

O anime chega a ser bem fiel em relação ao mangá. Mas os acontecimentos não segue a mesma ordem. A manifestação das cartas também se alteram, mas mantem a base (uma carta que aparece jogando objetos no mangá continuará jogando objetos no anime, mas os objetos e o alvo se alteram), alguams das cartas que no mangá já aparece sendo lacradas , no anime elas se manifestam causando problemas antes (a exemplo da carta do bosque e do trovão). Como as cartas surgem em ordens diferentes entre o anime e o mangá, algumas das cartas tem alterações na forma de captura, inclusive porque as vezes conta com um personagem a mais ou a menos entre as mídias, ou em determinadas cartas, em que a carta usada para que selasse a outra carta no mangá, não havia sido capturada no anime. Mas é o que torna as coisas mais interessantes, pois não fica previsível. E o mais importante, as cartas não perdem sua identidade.

Os OVAs, mais parecem fillers (e daqueles que são tão encheção de lingüiça, que nem tem historia direito), que não acrescentam em nada à historia. Ao contrário do filme (A carta selada), que são continuações do anime/mangá, e trabalha a relação (ou relacionamento) entre sakura e Syaoran (ainda com o cliche, mas agora com o “sempre alguém para atrapalhar na hora de se declarar”). O 1º filme é um spin-off.

Komix

Just another WordPress site

HTML5 Design by WPlook