Komix

Just another WordPress site

Arrow (repostando sobre a 1ª temporada)

October 14th, 2015

O que falar sobre a série televisiva do Arqueiro Verde? Ou podemos chamar de Arrow Begins.
Usando da receita de bolo de Christopher Nolan com sua trilogia Batman, vemos um Arqueiro mais sombrio, mais dark e mais realista. Os próprios produtores já pronunciaram que a fómula do Batman funciona, então melhor ficar em terreno seguro, não é mesmo?
Ambos possuem muitas semelhanças, são ricos e vigilantes. A série ainda acrescenta coisas, aqui ele até some igual ao Batman quando você olha pro lado, e assim percebe que estava falando sozinho. E também o fato de utilizar a sede de Ciências Aplicadas para fornecer equipamento no combate ao crime. Mas o Arqueiro não tem aquele carrão maneiro. Um acréscimo bacana foi o Le Parkour, e o fato do Arqueiro agora dominar combate corpo a corpo, algo que nos quadrinhos demorou um bocado pra acontecer, mas convenhamos, é melhor assim, no entanto derrotar Constantine Drake com certa facilidade, é demais.
Pra quem conhece o personagem, pode sentir falta de seu humor sarcástico e reclamão, afinal, é ele que fica criticando tudo quando está participando da liga. Mas podemos pensar que criaram uma versão própria do  Arqueiro.Stephen Amell não tem o maior dos talentos, mas é carismático. Quando ele finge ser o playboy excêntrico, prefiro pensar que Oliver não é ator. A caracterização dos vilões ficou bacana, embora o exterminador (Slade) parece que usa uma máscara de papel marchê.
Aparece também a família de Oliver, em que a irmã usa drogas. O Arqueiro sempre foi um personagem atingido por questões sociais, teve um filho que mechia com drogas, uma filha prostituta que pegou AIDS, portanto a irmã, ainda fica no contexto.
Mas a série é boa. Não é magnifica, e não tem inovações, fica mais no feijão com arroz.

A Piada Mortal

January 27th, 2015

Batman: The Killing Joke (no Brasil, Batman: A Piada Mortal) é uma história em quadrinhos em edição única, escrita por Alan Moore e desenhada por Brian Bolland, publicada pela DC Comics em 1988

Ao longo da história da personagem nos quadrinhos, a origem doCoringa teve várias versões cada uma focando um lado. Mas nunca houve uma versão oficial. Portanto, o passado do palhaço do crime era um mistério. Encarregado de contar uma versão mais definitiva do passado do maior inimigo do Batman, Alan Moore fez uma pequena compilação de tudo que já fora mostrado sobre o surgimento doCoringa. Mas, mais do que isso, Alan Moore se aprofundou na essência da personagem, o porquê de ele agir da maneira como age.

Partindo da premissa de que “só é necessário um dia ruim para levar uma pessoa à loucura”, o Coringa tenta provar seu ponto de vista sequestrando o Comissário Gordon. Em uma das atitudes mais ousadas para uma HQ da época, Alan Moore faz com que o Coringaaleije Barbara Gordon, a até então Batgirl.

O Coringa leva Gordon para um passeio no túnel do terror de um circo, deixando-o pelado e tratando-o como um animal, ao mesmo tempo em que o forçava a ver imagens de Barbara sendo estuprada; assim, ele procurava comprovar que o que o havia levado à loucura poderia acontecer com qualquer um. Afinal, como ele mesmo disse ao Batman, “você passou por um grande trauma, o que mais levaria uma pessoa a se vestir como morcego humano?”.

No entanto, no final, Bruce, por ver os pais morrendo quando criança, vira o Batman; o Coringa, por ter um dia em que tudo dá errado, vira o palhaço do crime; e Gordon, diante do que o Coringa faz com ele, continua normal. Ou seja, quem está certo afinal de contas?

Na HQ, os desenhos de Brian Bolland são magníficos, têm uma composição bem ao estilo de Alan Moore, mais estática, conforme se pode ver em suas outras obras (Alan Moore é bem detalhista na hora de montar o roteiro), com uma combinação de cores fenomenal, na qual cores quentes são usadas em momentos mais tensos, e cores frias usadas em momentos mais deprimentes.

No entanto, mesmo assim, o Coringa diz que toda a história de seu passado por ele contada era apenas como ele a lembrava, podendo ser diferente. O que ainda deixa o seu passado um mistério.

Ideia central da HQ, que, inclusive, foi bem aproveitada por Christopher Nolan em seu O Cavaleiro das Trevas, no qual o Coringa sempre conta versões diferentes de sua origem, sendo difícil definir qual é a verdadeira, tornando-o, assim, um personagem mais absoluto. E da mesma forma que o Coringa tenta corromper alguém na HQ, ele faz o mesmo no filme, no entanto a vítima da vez é Harvey Dent, o Duas Caras.

Escrito por Felipe Utsch
Revisado e corrigido por Tarsila Albuquerque
Editado por Gabriel Albuquerque

“Why So Serius?” – Coringa

January 24th, 2015

Aqui no blog, já escrevi para vocês sobre famosos quadrinistas, desenhos e animes, e já trouxe várias biografias de heróis das HQ. Mas nunca houve mais informações sobre vilões. Então hoje resolvi trazer um pouco mais sobre um dos vilões mais importantes e marcantes do mundo das HQ:Coringa!

Coringa é o principal vilão do Batman (confira a ficha do heroi em – http://komixbrasil.blogspot.com.br/2013/10/ola-todos-como-vamos-resolvi-fazer-algo.html), publicado pela DC Comics (http://komixbrasil.blogspot.com.br/2013/12/dc-comics.html) e criado por Bill Finger e Bob Kane a partir de uma sugestão de Jerry Robinson. Coringa foi apresentado para os amantes de quadrinhos na revista Batman #1 (1940), como um psicótico de cabelos verdes, boca vermelha e pele branca, sempre sorridente, lembrando a aparência de um palhaço.

A sua origem se dá em várias versões, porém a mais conhecida e aceita é a contada na graphic novel A Piada Mortal (1988), de Alan Moore (saiba mais sobre o Moore – http://komixbrasil.blogspot.com.br/2012/06/alan-moore.html). Nesse enredo, o ele conta que o Coringa era um ex-engenheiro químico falido por ter sido despedido de seu emprego e com uma família para sustentar. Pouco tempo depois de ficar sem desempregado, ele descobre que sua mulher está com câncer. O homem tenta ganhar a vida como piadista sem muito sucesso. Em desespero, ele se junta a um grupo de bandidos para assaltar uma fábrica química, assumindo o codinome Capuz Vermelho. O grupo é impedido por Batman e Robin, e em meio à confusão, o criminoso Capuz Vermelho cai dentro de um tonel de produtos químicos e é dado como morto. Porém, dez anos mais tarde, ele reaparece com as características conhecidas pelos fãs.

Existe outra versão em que o supervilão era conhecido como Joseph Kerr, um menino psicologicamente afetado pela separação dos pais. Seu pai um dia lhe pergunta por que ele estava tão sério (por isso o “Why so Serious?” no filme. Veja crítica da trilogia – http://komixbrasil.blogspot.com.br/2012/08/trilogia-de-christopher-nolan.html) e logo depois corta a boca do filho, deixando-o com uma cicatriz do lado esquerdo. Das três escolas por onde passou, Joseph foi expulso de todas devido a brigas com os colegas de classe, por ser alvo de chacotas. Em um de seus acessos de raiva, ele hospitaliza um dos colegas com uma concussão. Após desistir dos estudos, ele faz um acompanhamento com psiquiatra, porém de nada adianta. Quando adolescente, já cansado de ser desconsiderado pelos próprios pais, Kerr sai de casa e põe fogo na mesma com seus progenitores dentro. Enquanto assistia a tudo, ele mesmo corta a sua boca do lado direito, completando o sorriso. Essa versão da criação doCoringa é um tanto controversa, pelo fato de a personagem nunca ter aparecido com as cicatrizes.

Ainda existe uma terceira versão de sua origem. Nessa, os mesmos problemas psiquiátricos da anterior se repetem. Ao ficar adulto, para se vingar por ter sido despedido de uma fábrica de cartas, e antes de se transformar em Coringa, o então homem problemático (assim como na primeira versão, seu alter ego é desconhecido) invade essa fábrica e, ao tentar fugir, joga-se em um duto que levava lixo tóxico proveniente do material da tintura das cartas. Essa versão é a mais questionada de todas, pois ao que parece ela foi feita pela mistura das duas anteriores. Existem alguns críticos que chegam a dizer que ela foi idealizada por fãs, apesar de não se saber exatamente a sua origem.

No Brasil, o Coringa apareceu pela primeira vez no ano de 1953, pela editora Brasil-América Ltda., do Rio de Janeiro.

O vilão já foi representado algumas vezes nas telonas. A sua primeira aparição foi no ano de 1966, sendo interpretado por Cesar Romero (Batman: the Movie). Em um dos filmes mais famosos do Homem-Morcego, de Tim Burton, o Coringa foi interpretado por Jack Nicholson. Durante muitos anos, o vilão ficou longe, reaparecendo somente em 1995 no filme Batman Forever. Agora, sem dúvida alguma, a melhor interpretação da personagem foi no mais recente filme do Batman, The Dark Knigth. O vilão foi interpretado pelo ator Heath Ledger, que veio a falecer por uma overdose de tranquilizantes antes da estreia do filme. Defende-se a linha de que ele precisou da medicação, pois havia enlouquecido com o papel.

Escrito por Gabriel Albuquerque
Revisado e corrigido por Tarsila Albuquerque

Komix

Just another WordPress site

HTML5 Design by WPlook